Skip links

Ações não param mesmo em meio ao lockdown

O Instituto Mãos Solidárias têm se empenhado para continuar atendendo as famílias da comunidade do Setor Habitacional Sol Nascente, situada na Ceilândia, Distrito Federal. As famílias dessa comunidade tem enfrentado muitas dificuldades com o agravamento da pandemia de COVID-19.

Felizmente, graças à mobilização dos parceiros, voluntários e colaboradores do Instituto, muitas famílias tem recebido apoio para passar por esse momento difícil.

Sem emprego formal e com todas as restrições impostas pela pandemia, muitas famílias passam por situação de insegurança alimentar e vulnerabilidade social e muitas vezes, o único meio de conseguir alimentos é através de ações de solidariedade daqueles que podem colaborar de alguma forma.

Durante os últimos meses, várias ações foram realizadas para minimizar as dificuldades dessas famílias. Distribuição de cestas básicas, marmitas, brinquedos, vestuário, roupas de cama, ítens de limpeza e higiene pessoal.

Procure em nosso site ou em nossos canais nas redes sociais e saiba mais sobre o nosso projeto e como você pode nos ajudar. Unindo nossas forças podemos transformar as vidas dessas pessoas que estão precisando da nossa ajuda.

O Projeto Mãos Solidárias foi criado em 15 de julho de 2013 no Sol Nascente, quando seu fundador, Wanderly de Sousa Santos, assistindo à televisão, viu uma reportagem em uma emissora local e se sensibilizou com a história de uma família com 17 crianças vivendo em uma pobreza extrema.

Wanderly, então, foi até a localidade e criou o projeto, que, ao longo dos anos, promove os direitos humanos.

O objetivo do projeto é levar esperança e oportunidade para transformar a vida de famílias carentes e promover o desenvolvimento humano de crianças e adolescentes em vulnerabilidade social. O programa sócio-educacional do projeto conta com assistência social, saúde, esporte, lazer e cultura.

Ao todo, o Mãos Solidárias atende mais de 240 crianças, com idades entre 4 e 17 anos, e suas famílias. Todas as atividades sócio-culturais são gratuitas.

Leave a comment